07.08.2008

Uma pesquisa exclusiva revela — pela primeira vez — que bancos realmente oferecem os produtos e serviços que as pequenas e médias empresas mais precisam para crescer

Publicidade EXAME

Em quais bancos o empreendedor brasileiro encontra o que realmente precisa para seu crescimento? A oferta cada vez maior de produtos, serviços e recursos voltados para pequenas e médias empresas aumenta a lista de opções a considerar — e, por isso mesmo, pode deixar muitos empresários em dúvida na hora de escolher as instituições que melhor atendem às suas necessidades. Para facilitar essa tarefa, EXAME PME fez um estudo para descobrir quais são os bancos que tratam melhor as pequenas e médias empresas. Quais cobram menos por empréstimos de capital de giro? Onde a análise de crédito é mais rápida? Quem oferece os produtos e serviços que os pequenos e médios empresários querem?

Para fazer a pesquisa, fomos procurar as 490 companhias que participaram da pesquisa EXAME PME/Deloitte que apontou as 100 pequenas e médias empresas que mais cresceram no Brasil entre 2004 e 2006. Queríamos saber o que, na visão delas, é fundamental encontrar num banco para dar suporte financeiro ao crescimento. Das respostas surgiu uma lista dos produtos e serviços de que elas mais necessitam, os aspectos que elas mais valorizam na concessão de crédito e de linhas de financiamento e os aspectos mais importantes do atendimento.

Esses resultados deram origem a outro questionário, enviado aos bancos, para saber quais instituições satisfazem às necessidades apontadas pelas empresas em crescimento. Um total de 23 instituições respondeu ao questionário. Nessa etapa, que começou em abril, participaram ABC, ABN Amro, Amazônia, Banco do Brasil, Banco do Estado do Rio Grande do Sul, Banco do Estado de Santa Catarina, Banestes, Banif, Bonsucesso, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Daycoval, Fibra, Gerdau, Indusval Multistock, Itaú, Nordeste, Paulista, Pine, Pottencial, Rural, Santander e Unibanco. Foram escolhidos os bancos com depósito à vista. Nos casos em que havia mais de uma instituição por conglomerado, foram escolhidos os bancos comerciais como representantes do grupo. O resultado desse levantamento está nos quadros das próximas páginas.

O cruzamento das respostas das empresas com as dos bancos trouxe um retrato inédito de como eles enxergam os pequenos e médios negócios — e de como essas empresas desejam ser vistas pelo mercado financeiro. Um mito caiu por terra — o de que as pequenas e médias empresas vêem os bancos apenas como fonte de recursos. “Elas estão cada vez mais interessadas em produtos e serviços específicos para elas”, diz Erickson Fassi, sócio da Fass, consultoria especializada em gestão econômica e financeira.

A pesquisa mostrou que, do lado dos bancos, há ainda muito o que fazer para atender a essa demanda. Entre as instituições consultadas, apenas seis — ABN Amro, Banco do Brasil, Bradesco, Itaú, Santander e Unibanco — afirmaram ter todos os produtos e serviços apontados pelas pequenas e médias empresas que mais crescem. Ao mesmo tempo, é grande o interesse dos bancos em ampliar essa oferta, inclusive com produtos e serviços específicos para cada empresa. Apenas duas das instituições ouvidas afirmaram que não pretendem oferecê-los. “Os bancos estão começando a entender que é preciso ter mais produtos e serviços específicos para as pequenas e médias empresas”, diz Roberto Paschoali, da consultoria Evolve Gestão.

Quando questionadas sobre suas necessidades na hora de ser atendidas, 80% das empresas disseram que os gerentes precisam ter conhecimento do setor em que elas atuam. A maioria dos bancos (17 deles) disse contar com essa capacitação em todas as agências — mas, se tantos empreendedores apontaram essa carência, é porque provavelmente eles não encontram gerentes com o grau de especialização desejado. “A especialização é essencial para as operações das pequenas e médias empresas e também é importante na estratégia de fidelização dos bancos”, diz Clodomir Félix, sócio-diretor da Deloitte.

No atendimento às suas operações e aplicações, duas modalidades despertaram mais interesse nos empreendedores consultados — as assessorias em financiamentos, para 64% deles, e em reestruturação empresarial, para 52%. A primeira é oferecida por nove bancos em todas as suas variedades (avaliação econômico-financeira, obtenção de recursos externos e busca de parceiros para projetos) e por oito em uma ou duas variedades. A assessoria em reestruturação empresarial é oferecida por apenas seis bancos.

No caso do crédito, os principais critérios valorizados pelas pequenas e médias empresas foram bem objetivos — baixo custo e simplicidade na captação. Segundo a pesquisa, os bancos de médio porte, em geral, cobram menos — mas os maiores pedem menos papelada e são mais rápidos na análise de crédito.

File Pesquisa Bancos – Revista Exame